Decisão Inédita: Liderança Indígena Assume Comando do Museu dos Povos Indígenas

Fotos: Lia Trindade Faudry

O Ministério dos Povos Indígenas e a Fundação Nacional do Povos Indigenas (FUNAI), em uma decisão histórica de se ter uma gestão dos povos originários, anunciou a nomeação de Lucia Fernanda Inácio Belfort Sales, a Fernanda Kaingang  para o prestigiado e importante cargo de Diretora do Museu do Índio RJ. Esta nomeação foi oficializada com base na competência subdelegada pelo inciso I do art. 10 da Portaria/MPI nº 73, de 09 de março de 2023.

Fernanda Kaingang é reconhecida por sua dedicação e expertise em assuntos relacionados à cultura indígena. Suas experiências e conhecimentos são vistos como fundamentais para liderar o Museu do Índio-RJ (futuro Museu dos Povos Indígenas), um espaço vital para a preservação e promoção da rica diversidade cultural dos povos originários do Brasil.

O cargo de Diretora do Museu do Índio-RJ é de suma importância, pois envolve a gestão de um dos mais significativos espaços de representação e educação sobre as culturas indígenas no Brasil. O museu desempenha um papel crucial na conservação do patrimônio cultural indígena e na disseminação de conhecimento para as futuras gerações.

A nomeação ocorre em um momento crucial, onde a representação e a valorização da cultura indígena estão ganhando um impulso sem precedentes na história do Brasil. A escolha de Fernanda Kaingang para este cargo ressalta o compromisso do Ministério dos Povos Indígenas e da Fundação de Povos Indígenas em promover lideranças que estão profundamente enraizadas e engajadas com as lutas e questões indígenas.

Espera-se que sob a liderança de Fernanda Kaingang, o Museu do Índio-RJ avance ainda mais em suas missões de preservação, educação, sistema museológico indígenas, patrimônio material e imaterial, direitos, e promoção das diversidades culturais indígenas. Esta nomeação não é apenas um passo significativo para o museu, mas também um marco para o reconhecimento e a valorização das culturas indígenas no Brasil.

Biografia de Lucia Fernanda Inácio Belfort Sales (Jófej / Fernanda Kaingáng)

Origens e Educação:

Nascida na Terra Indígena Carreteiro, Água Santa, Rio Grande do Sul, Lucia Fernanda Inácio Belfort Sales, ou Jófej em Kaingáng, é filha de um funcionário da FUNAI e de Andila Nivygsãnh, professora indígena Caingangue. Desde jovem, mostrou-se uma líder dedicada dentro do povo Kaingáng do Sul do Brasil. Com 17 anos, foi aprovada no vestibular e formou-se em Direito pela UNIJUÍ em 2000, tornando-se a primeira advogada indígena da Região Sul.

Carreira Profissional:

Fernanda Kaingáng prosseguiu com um mestrado em Direito Público pela Universidade de Brasília (UNB) e atualmente é Doutora em Arqueologia na Universidade de Leiden, na Holanda. Sua carreira é marcada pela mistura de advocacia, educação e arte, destacando-se como membro fundadora do Instituto Indígena Brasileiro para Propriedade Intelectual – INBRAPI.

Contribuições Significativas:

Como diretora executiva do INBRAPI, ela defendeu os direitos culturais dos povos indígenas, atuando em organizações internacionais como a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI; em inglês, World Intellectual Property Organization, WIPO) é uma entidade internacional de Direito Internacional Público com sede em Genebra (Suíça), integrante do Sistema das Nações Unidas e Convenção sobre Diversidade Biológica – CDB. Fernanda Kaingáng notabilizou-se também por ser a primeira indígena a obter um mestrado em Direito Público no Brasil e especializar-se em biodiversidade.

Atuação Cultural e Política:

Em 2015, foi eleita para o Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC), representando o Colegiado Setorial dos Povos Indígenas. Como arte educadora, trabalhou em Pontos de Cultura Kanhgág Jãre e Som dos Maracás no RS, e participou de exposições internacionais, resgatando os grafismos do povo Kaingáng.

Avanços Acadêmicos:

Doutora em Arqueologia na Europa pela Universidade de Leiden na Holanda (Países Baixos), sua tese de doutorado , “Direitos Negados, Patrimônios Roubados”, publicada em outubro de 2023, aborda a proteção dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas, sendo um marco em sua carreira acadêmica, sendo um tema caro para políticas públicas para os povos originários.

Conquista Recente:

Em 29 de novembro de 2023, Fernanda Kaingáng fez história ao ser nomeada Ministério dos Povos Indígenas (MPI) e pela Presidência da FUNAI para a direção do Museu do Índio, agora renomeado como Museu dos Povos Indígenas, no estado do Rio de Janeiro. Sua nomeação representa um passo significativo para o reconhecimento e valorização da cultura indígena no Brasil.

A Primeira Agenda

Amanhã, 30 de novembro, a diretora Fernanda Kaingáng estará presente na posse do Conselho Consultivo do Patrimônio Museológico (CCPM), na cidade de Brasília, DF.

Por: Anápuàka Tupinambá

Fotos: Lia Trindade Faudry

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Noticias Relacionadas

Categorias

Redes Sociais

Pular para o conteúdo